Português (Brasil)English (United Kingdom)

Desenvolvimento Regional e Logística: Contribuições para o aumento da competitividade das cidades

PDFImprimirE-mail

 

Em um país de grandes dimensões e ainda com muitos bolsões de pobreza, se faz necessário estruturar ações de planejamento que levem ao desenvolvimento regional. Aqui destaco dois objetivos que ainda são rotineiramente confundidos: CRESCIMENTO e DESENVOLVIMENTO. E o que é mais preocupante é que o primeiro não garante o segundo, pois crescer é condição necessária, porem não suficiente para gerar desenvolvimento. Uma saída que oferece bons resultados é a estruturação das competências por regiões. São ações que dependem da participação da população, organizada através de entidades de classe, associações civis representadas e do governo. A união desses três setores podem ser ambientadas nas associações de municípios, entidades já existentes, que são legitimas para colocar em prática planos de desenvolvimento regional.

 

Não pretendo aqui comentar sobre a qualidade dos trabalhos destas associações, mas quem se dedicar a pesquisá-las, terá a sensação de que poderiam evoluir muito e assim contribuir com mais efetividade para a melhoria das condições de vida da população em geral. Ademais, neste quesito, passa-me também a sensação de que o governo federal, com todo seu aparato de informações e de articulações nacionais e internacionais, poderia ajudar na formulação dos planos estratégicos de desenvolvimento regional – PED Regional -, apoiando tecnicamente a manutenção destes fóruns nas diversas associações, e cuidando sempre, para que estas associações não fiquem a mercê somente de prefeitos, mas que a sociedade civil esteja realmente integrada e que a população possa ter acesso de forma a acompanhar os rumos do desenvolvimento pretendido. Quem quiser saber mais sugiro consultar os convênios do governo federal com os municípios -  http://www.portaldatransparencia.gov.br/convenios.

 

A idéia central é buscar sinergias que podem ser identificadas através da realização do diagnóstico de potencialidades regionais e debilidades locais, de forma participativa com os representantes dos municípios do contexto regional. Assim, uma cidade com vocação eminentemente turística, muitas vezes carece de serviço básicos como saúde ou infraestrutura, enquanto que uma cidade vizinha, sem nenhum atrativo turístico, possui boas chances de fazer da indústria do conhecimento seu foco de desenvolvimento. A proposta é levantar esses pontos positivos e/ou negativos, a fim de que essas cidades possam se desenvolver em conjunto, fazendo com que a competição deixe de existir, levando o desenvolvimento à toda a região de forma a se utilizar da complementaridade de cada município.  E, a partir do diagnóstico inicial, o deve-se instituir os índices de desenvolvimento relativos à região, como, por exemplo, o IDH - Índice de Desenvolvimento Humano, densidade populacional, ente diversos outros. Aqui deve-se considerar que os planos de desenvolvimentos de cada município, em especial seu Plano Diretor de Desenvolvimento, devem ser elaborados considerando-se suas potencialidades e as debilidades já identificadas. Este posicionamento atuante faz ainda com que as ações políticas tenham foco no curto, médio e longo prazos, pois estarão embasadas em desejos e necessidades de uma sociedade mais atuante. Estes são diferenciais competitivos que podem facilitar a decisão de investimentos de empresas interessadas em interagir com a municipalidade.

 

Quando uma cidade ou região tem sua estratégia de desenvolvimento lastreada em Logística Territorial, poderá aproveitar de modo mais racional e eficiente seu espaço físico e, terá mais chances de se tornar alvo de interesse. O resultado é o aumento da atração de empresas, sem a necessidade de uma política absurda de incentivos fiscais. Os empreendedores adquirem mais confiança em efetuar investimentos e a comunidade está comprometida com resultados de médio e longo prazos. Hoje, o que vemos é guerra fiscal, a falta de planejamento adequado, fazendo com que as concessões de benesses ultrapassem limites aceitáveis. Os governos cedem áreas, realizam infraestrutura e oferecem incentivos e, mesmo assim podem ser considerados insuficientes para que as empresas decidam pela implantação de suas unidades na região. E assim, o mais comum é o aumento das concessões, para finalmente atrair os investimentos de empresas interessadas. Mas esta pratica pode provocar resultados bastante negativos no médio e longo prazos:

 

→     A piora da qualidade de vida - as cidades podem se tornar incapazes de suportar fluxos migratórios consideráveis, com impactos em moradias, saneamento, educação, segurança, sistema viário, assistência medica, serviços públicos em geral, entre outros, o que, por sua vez, impacta negativamente nas finanças municipais. Ë muito comum, por exemplo, o aumento expressivo de avarias no sistema viário, provocado pelo aumento do fluxo de veículos, em vias que não adequadas para suportar o aumento de demanda;

 

→     O aumento dos custos operacionais – as empresas podem ser levadas a absorver custos acima do previsto, devido a inadequação local, e assim perder competitividade em seus mercados de atuação;

 

→     O aumento do custo de vida local – o crescimento rápido e não acompanhado por ações de desenvolvimento adequadas, levam ao aumento de custos generalizados e perdas consideráveis na mobilidade urbana.

 

E assim, as próprias empresas identificam que as condições já não são tão favoráveis para permanecer e podem tomar a decisão de transferir parcialmente ou na sua totalidade seus negócios para outras localidades mais atrativas. Enfim, regiões cujos municípios possuem adequados planos de desenvolvimento, lastreados em logística territorial, conseguem gerar competências locais fundamentadas em políticas publicas bem elaboradas e de efeito, que permitem a geração de diferenciais competitivos de longa duração, e complementaridades regionais, sem depender em demasia de incentivos fiscais. Concluindo: planos de desenvolvimento lastraeados em logística territorial facilitam a execução de ações efetivas visando garantir a competitividade local e regional.

 

 

Escrito por:


Nyssio Ferreira Luz


Graduado em Engenharia Mecânica pela UFMG, com especialização em Produção, Manutenção, Gestão de Materiais, Marketing e Logística. Mestre em Logística de Transportes pela UFSC.  Atuou em corporações tais como CVRD - Cia. Vale do Rio Doce, FOSFÉRTIL - Fertilizantes Fosfatados S/A e MARTINS Comércio e Serviços de Distribuição S/A. 

Atualmente é diretor presidente do IBRALOG - Instituto Brasileiro de Logística onde desenvolve trabalhos de Estratégia Empresarial, Projetos Logísticos e assessoria técnica em logística empresarial. Membro do CSCMP – Council of Supply Chain Management Professionals - USA.

 

Voltar

Busca

Banner
Banner
Banner

IBRALOG - INSTITUTO BRASILEIRO DE LOGÍSTICA - ©2011
R. Guajajaras, 40, 11º andar, sala 1102. Centro • CEP: 30180-100 | Belo Horizonte / MG
Telefone: (31) 3213-1542
e-mail: ibralog@ibralog.org.br